Rádio CN Agitos

sábado, 22 de novembro de 2014

Pesquisadores criam plástico que evita o desperdício de alimentos.


Tomate armazenado com e sem o novo plástico desenvolvido na região de São Carlos (Foto: Divulgação/CDMF)Tomate armazenado com e sem o novo plástico desenvolvido (Foto: Divulgação/CDMF)
Frutas, verduras e carnes conservadas por um mês. A ideia pode parecer distante, mas um novo tipo de plástico, desenvolvido na região e capaz de conservar alimentos por mais tempo, chegará às prateleiras dos supermercados no início de dezembro e promete torná-la realidade. O produto, que ganhou o nome de AlpFilm Protect e já pode ser adquirido pela internet por R$ 38,61, foi desenvolvido com a contribuição de pesquisadores da Unesp, USP e UFSCar. Ele combate a proliferação de fungos e bactérias nos alimentos embalados, evitando o desperdício.
Nutricionista revela que sobra de comida nos restaurantes não é reaproveitada e vai para o lixo (Foto: rede globo)Plástico evita desperdício ao inibir a proliferação
de bactérias (Foto: Reprodução/TV Globo)
Para Elson Longo, pesquisador da Unesp de Araraquara e um dos integrantes do estudo, o plástico é um exemplo da “tecnologia do futuro” por garantir o transporte de alimentos com minimização das perdas e sem bactérias.
“Hoje você deixa uma maçã na geladeira e ela dura uma semana. Com o plástico, no qual há um composto bactericida e fungicida, a mesma maçã dura um mês”, disse o professor ao G1. “As perdas de alimentos no mundo são muito grandes. Perdem as donas de casa e também o país. Com essa tecnologia, é possível evitar o desperdício e pressionar o sistema para a diminuição dos preços dos mantimentos”.
Desenvolvimento
Segundo Longo, as pesquisas que resultaram no AlpFilm começaram há seis anos, quando Luiz Gustavo Simões, atualmente sócio da Nanox e na época seu aluno, defendeu sua tese de doutorado sobre nanopartículas bactericidas.

Elson Longo (Foto: Divulgação/CDMF)Professor Elson Longo, integrante do projeto que
resultou no novo plástico (Foto: Divulgação/CDMF)
De lá para cá, a parceria rendeu o desenvolvimento de partículas para secadores de cabelo e para tapetes, entre outras, e, há um ano, surgiu a ideia de criar um produto voltado para embalagens.
“Começamos pensando em itens para a área da odontologia e, passado algum tempo, surgiu a ideia de fazer embalagens para diferentes finalidades. Entramos em contato com a Alpes, fabricante de plásticos, e deu certo”.
Durante um ano, pesquisadores das universidades, da Alpes e da Nanox e se revezaram em laboratórios de São Carlos e Araraquara ligados ao Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) até chegarem ao composto final, um produto pioneiro e genuinamente nacional. “As pessoas acham que não se desenvolve alta tecnologia no Brasil, mas não é verdade”, completou Longo.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Estudo traz descoberta promissora no combate ao Alzheimer.

   Novas e promissoras perspectivas no tratamento da doença de Alzheimer foram apresentadas nesta quarta-feira(12) durante o Primeiro Encontro sobre Envelhecimento e Doenças Neurodegenerativas da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Pesquisa de laboratório descobriu um composto orgânico capaz de evitar o acúmulo de metais fisiológicos no cérebro, o que pode ajudar a retardar a progressão da doença.
A pesquisa é fruto de parceria entre o Departamento de Química do Centro Técnico Científico da PUC-Rio e o Instituto de Biologia Molecular e Celular de Rosario, na Argentina.
Um dos coordenadores da pesquisa, Nicolás A. Rey, explicou que os testes experimentais comprovaram que o composto hidrazona mostrou-se eficaz no sequestro dos biometais zinco, cobre e ferro da beta-amiloide, proteína encontrada em grande quantidade nos pacientes com Alzheimer. "Os metais que se acumulam na beta-amiloide produzem radicais-livres, que atacam os próprios neurônios", explicou ele.
Os pequenos agrupamentos de beta-amiloide podem bloquear a sinalização entre as células nas sinapses, que é o primeiro passo para a série de eventos que leva à perda de neurônios e aos sintomas da doença. Nicolás disse que "o hidrazona tem boa absorção no cérebro, não é tóxico, e seu processo [de produção] é ambientalmente correto e de baixo custo".
Após testes preliminares em animais, a reação do grupo de controle foi muito positiva, segundo o cientista, sem mortes ou doenças entre os ratos que receberam enormes doses da substância. Os testes devem durar mais um ano e meio, e nesse período a equipe vai buscar parceiros para a fase de testes farmacológicos na busca por drogas anti-Alzheimer.

domingo, 2 de novembro de 2014

Vai sair com alguém que conheceu na internet? Jairo Bouer dá dicas.


Tecnologia tem contribuído para os relacionamentos, o aplicativo Tinder, por exemplo, permite conhecer pessoas baseadas na localidade do usuário
Quem deseja namorar pode usar a internet a seu favor: com a ajuda de vários sites de relacionamentos e aplicativos de paquera, como o Tinder e Grindr, as chances de encontrar gente interessante aumentam mais.
Nessa edição do programa @saúde, o médico especialista em sexualidade Jairo Bouer dá dicas para curtir essa tendência, mas com muita segurança. Ele explica como é possível conhecer alguém pela internet e evitar surpresas desagradáveis no encontro.
Em primeiro lugar, é importante descobrir se o perfil da pessoa com quem você está conversando é real. Na hora de marcar um encontro, dê sempre preferência a um local público e movimentado. 
.
Só marque encontros com pessoas que você já fala há algum tempo: Tem gente que acaba de conhecer a pessoa e já quer ir logo marcando o encontro, e isso pode não ser algo muito aconselhável, primeiro porque quanto menos você conversa com alguém, menos você conhece sobre essa pessoa, e segundo porque é necessário tempo para saber se você realmente está interessada a ponto de “valer o risco”. Lembrando que em um primeiro momento e em poucas conversas é fácil ser legal, e até mesmo convincente.
Veja a pessoa na webcam: Esse item é necessário não apenas para você ver se a pessoa é minimamente atraente (e nem adianta falar que isso aí não conta, porque conta sim!), como também para ver se ela existe mesmo. Não acho uma boa ideia confiar só em fotos, porque elas podem meter a gente em furada e nos dar uma grande decepção na hora de conhecer ao vivo. Se ela não tiver webcam, peça para comprar ou para ir em uma lan house ou na casa de amigos. Se a pessoa está mesmo afim, ela tem que dar um jeito, né? Para dar um estímulo a mais, fala que você ligará a sua desde que ele ligue a dele, isso tende a ser um baita estímulo para a maioria dos homens, que darão um jeito de arrumar o equipamento rapidinho haha.
Tenha também o número do telefone fixo da pessoa: Eu sei que hoje em dia todo mundo dá o número de celular, e é claro que esse número também é importante, mas também seria legal ter o da casa da pessoa, porque só assim você saberia onde encontrá-la caso acontecesse alguma coisa. Celular é só desligar, mudar de número, de chip ou de sei lá o que e você nunca mais saberá sobre o paradeiro da pessoa. Apesar disso, dar o telefone fixo ao mesmo tempo pode ser uma boa emboscada: Já pensou se a pessoa gosta de você, você não gosta dela, e depois ela fica igual uma maniaca psicopata te ligando em casa o dia todo? Então é bom também pensar nesse “contra” e ver qual opção se encaixaria melhor no seu caso.
Tenha o facebook da pessoa: Hoje em dia tem um monte de malandrinho que fala que não tem facebook. Tudo bem que muitos não tem mesmo, mas sabemos que hoje em dia quem não tem é a extrema MINORIA, e que muitos omitem esse dado por serem casados, ou até mesmo ser um perigo em potencial nisso. Se ele insistir em dizer que não tem, certamente ele terá alguma informação facilmente acessível na internet, nem que seja o currículo lattes ou vitae na internet usados para fins profissionais e acadêmicos. Então atenção nesse item.
Conte para alguém sobre essa pessoa: O ideal mesmo é contar para os pais, mas tem gente que não quer contar de jeito nenhum, e nisso a segunda opção fica sendo um amigo CONFIÁVEL, para que você passe informações sobre ele (telefone, facebook, quando e como o encontrará, etc), e para que ele saiba o que poderia ser feito caso você suma.
Marque SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE o encontro em lugar público: A princípio, nada de aceitar convites para ele te buscar em casa ou te deixar em casa depois. Eu sei que é cômodo não pegar um busão ou deixar de ir a pé para estar em um carro confortável, mas atenção, você ainda não conhece essa pessoa para ficar sozinha em um carro com ela. Para não ficar chato recusar a carona, fala que você prefere encontrar com ele direto no shopping (por exemplo) porque tem que fazer umas coisas lá perto um pouco antes, etc.
Atenção a esse item: Parece que tem um golpe, até bem comum por aí no qual a pessoa até aceita um encontro em lugar público, mas chegando lá pede para a vítima ir para um outro lugar, dando uma desculpa qualquer. Inclusive, muitos constrangem a vítima alegando coisas do tipo “e eu lá tenho cara de tarado?!” “agora você já me conheceu, vamos sair daqui?!”. Então cuidado redobrado, a princípio e enquanto você não tiver CERTEZA de quem é a pessoa, fale que espera que ela entenda que você se sente mais confortável lá, e que não force a barra, até porque se forçar fica mais suspeito ainda…. Se você é do tipo mais passiva e não quer falar tudo muito na lata, diga que tem que ficar lá pois sua amiga vai te deixar algo, e depois fale que não deu para a amiga ir se for o caso. O que vale aqui é manter a sua segurança SEMPRE.
Tente levar uma amiga ou tenha alguém de confiança de olho em vocês: Se não der para a sua amiga ir junto, que ela fique por perto, e ele nem precisa saber que ela estará por lá! Se não der para fazer isso, avise para alguém confiável – tal como o segurança do shopping – que você em breve estará conhecendo alguém da internet, para que ele fique de olho até que você o avise que está tudo bem (nisso vocês podem marcar um gesto para você não precisar falar para o carinha do encontro: “Peraí que vou avisar para o segurança que você não é um delinquente” haha.
Dê preferencia para bebidas enlatadas, e comidas que não ficaram apenas com ele antes de você chegar: Eu sei que isso parece neurose, e pode até ser mesmo, mas como disse, o seguro morreu de velho, e desde que ouvi a história de uma conhecida que teve coisa colocada na bebida por um homem que queria levá-la sei lá para onde, acho que não custa nada tomar uma precaução com esse item também!

sábado, 25 de outubro de 2014

Comer mais gordura pode ser bom para a saúde segundo estudos.


Ao contrário do que diz o senso comum e os conselhos de muitos médicos dos últimos anos, comer mais gordura pode ser benéfico para a saúde.
Diversos estudos recentes apontam para o fato de que certos tipos de gorduras – e não todos - podem sair da lista de "vilões", seja para quem quer emagrecer ou evitar problemas cardíacos, afirma o médico Michael Mosley, que apresenta o programa da BBC Trust me, I'm a Doctor (Confie em mim, eu sou médico, em tradução livre).
"Essas pesquisas são o tipo de notícia que faz com quem você queira jogar na pia aquele leite desnatado que você usa no seu cappuccino", diz Mosley.
Se a crença era a de que gorduras saturadas criavam coágulos nas artérias e engordavam, novas evidências mostram que consumi-las pode, na verdade, ajudar a perder peso e ser benéfico para o coração.
No início do ano, por exemplo, um estudo liderado pela British Heart Foundation causou polêmica. Cientistas de Oxford, Cambrige e Harvard, entre outros, examinaram a ligação entre o consumo de gordura saturada e doenças cardíacas.
Apesar de analisar o resultado de quase 80 estudos envolvendo mais de meio milhão de pessoas, eles não encontraram evidências convincentes de que comer gorduras saturadas implicava em um maior risco de problemas cardíacos.
Mais do que isso, quando analisaram os testes sanguíneos, eles descobriram que altos níveis de gorduras saturadas estão associados com menor risco de doenças coronárias. E isso é válido especialmente ao tipo de gordura saturada encontrada no leite e outros laticínios, conhecido como "ácido margárico".
A pesquisa provocou desconfiança por parte de alguns especialistas, que temem que o resultado possa confundir as pessoas e que passe não uma mensagem de que é ok consumir mais de algumas outras formas de gordura, mas sim de que é ok comer muito mais gordura saturadas até em doces.
E isso é preocupante, segundo eles, porque é sabido que os altíssimos níveis de obesidade no mundo vem sendo inflamado por petiscos como muffins, bolos e salgadinhos, todos com altos índices de gordura, açúcar e caloria.
Professora Kay-Tee Khaw, de Departamente de Saúde Pública da Universidade Cambridge, foi enfática ao dizer que a pesquisa não é uma licença para se encher de junk food. Mas ela concordou que os resultados tornam o cenário nutricional mais complicado.
"É complicado no sentido de que algumas comidas que têm muita gorduras saturadas parecem reduzir doenças cardíacas."
Segundo ela, há fortes evidências de que comer oleaginosas algumas vezes por semana reduz o risco de males do coração, apesar de conterem gorduras saturadas e insaturadas. A pesquisadora afirma ainda que as provas disso são menos fortes em relação a laticínios, e vê poucos problemas no consumo de manteiga e leite.
Mas, deixando de lado as questões cardíacas, de qualquer jeito, gorduras são ruins porque engordam, certo? Não necessariamente.

Um estudo recente produzido pelo Scandinavian Journal of Primary Health Care, intitulado "Alto consumo de gordura de laticínios ligado a menos obesidade" questiona essa relação.
No estudo, pesquisadores analisaram 1.589 suecos por 12 anos. Os que seguiram uma dieta baixa em gorduras – cortando manteiga, leite desnatado e cremes – tinham mais tendência a terem excesso de peso na região abdominal do que os que consumiam manteiga, leite A e creme de leite.
Uma das razões para isso pode ser o fato de que consumir gordura faz a pessoa se saciar rapidamente, então, quando ela é cortada da dieta, o que se faz é substituir (conscientemente ou não) calorias com outros alimentos. E frequentemtente essa substituição vem em forma de carboidratos como pão branco e massas.

Calorias

O que se está concluindo até o momento é que não está liberado comer frituras ou colocar creme em tudo, porque mesmo o coração não sendo prejudicado pelo consume de gorduras, já está provado que ele é sim afetado por uma alta ingestão de calorias.
"Acredito que a maioria das gorduras saturadas, especialmente a de alimentos processados, não são saudáveis", disse Michael Mosley. "Mas eu voltei a consumir manteiga, iogurte grego e leite semidesnatado, além de estar comendo muito mais castanhas, nozes, peixes e vegetais".

domingo, 12 de outubro de 2014

Cinco formas de reduzir e controlar a taxa de colesterol,segundo estudos.

O colesterol é importante para a regeneração dos tecidos, dos ossos e para a síntese dos hormônios sexuais e da vitamina D
O colesterol é importante para a regeneração dos tecidos, dos ossos e para a síntese dos hormônios sexuais e da vitamina D (Thinkstock/VEJA)
O colesterol é um tipo de gordura que circula na corrente sanguínea e que carrega a fama de vilão pelo fato de, em excesso, aumentar o risco de doenças cardiovasculares, como derrame e infarto. A substância, no entanto, é essencial para algumas funções do organismo, já que ajuda na regeneração dos tecidos e dos ossos e na produção de hormônios sexuais e de vitamina D. Prova disso é que 70% de todo o colesterol presente no corpo de uma pessoa é produzido por seu próprio organismo.
Para circular pela corrente sanguínea, o colesterol precisa se ligar a uma lipoproteína, molécula que contém proteína e gordura. Existem dois tipos dessas moléculas transportadoras: as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e as de alta densidade (HDL) — e são elas que determinam se o colesterol será mais ou menos prejudicial à saúde.

Enquanto o LDL deposita o colesterol nas paredes das artérias, podendo entupir os vasos e desencadear problemas cardiovasculares, o HDL leva o excesso de colesterol para o fígado para que seja eliminado pelo intestino. Por isso, o colesterol transportado pelas moléculas LDL e HDL é conhecido como colesterol ruim e bom, respectivamente.
Os médicos consideram que os níveis de HDL devem ser de, no mínimo, 60 miligramas por decilitro de sangue e os de LDL não devem ultrapassar 100 miligramas por decilitro de sangue. Em quantidade superior a essa, o colesterol "ruim" pode se acumular nas artérias e formar placas de gordura. "Com o tempo, essas placas reduzem a circulação do sangue que vai para o coração e podem formar coágulos, interrompendo completamente a passagem do sangue, que é a causa do infarto ou derrame cerebral", diz o cardiologista Luiz Bortolotto, coordenador do Centro de Hipertensão do Hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo.
A alimentação é uma importante fonte de colesterol — e a qualidade dos hábitos alimentares é fundamental para controlar os níveis de gordura no sangue. Para garantir que o colesterol não prejudique a saúde, é essencial evitar o consumo de gorduras saturadas, como explica o endocrinologista Alex Leite, do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, em São Paulo. Segundo ele, alguns alimentos ricos nesse tipo de gordura são laticínios e derivados integrais, como leite integral, queijos de coloração mais amarela, manteiga e requeijão, além de carnes gordas, como lombo de porco, picanha, cupim e embutidos.
Praticar atividade física, ingerir alimentos ricos em fibra e parar de fumar também ajuda a controlar o colesterol, reduzindo os níveis de LDL e aumentando os de HDL.
Tratamento — No entanto, existem casos em que as taxas de colesterol não se estabilizam com alimentação e atividade física. As causas para esses problemas podem estar em alguma doença metabólica, como o diabetes e a obesidade, ou na herança genética. "Pessoas que têm familiares com colesterol alto tendem a apresentar taxa elevada de colesterol, independentemente da dieta", diz Marcelo Paiva, cardiologista do Núcleo de Cardiologia do Hospital 9 de Julho.

O tratamento à base de estatina é o mais utilizado nesses casos: o medicamento inibe a produção de colesterol pelo organismo. Mesmo esses pacientes, porém, devem seguir recomendações básicas para controlar o colesterol.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Sueca é primeira mulher do mundo a dar à luz após transplante de útero.


4.out.2014 - Foto mostra um garoto nascido de mãe que recebeu transplante de útero. Uma sueca de 30 anos (que não teve o nome divulgado) deu à luz a um menino saudável por cesariana no início de setembro, cerca de dois anos após receber um útero doado por uma mulher de 61 anos de idade. O caso abre a possibilidade para que milhares de mulheres inférteis possam ter filhosUma sueca tornou-se a primeira mulher do mundo a dar à luz depois de passar por um transplante de útero, abrindo a possibilidade para que milhares de mulheres inférteis possam ter filhos, disse neste sábado o médico responsável pelo projeto de pesquisa.
A sueca não identificada tem cerca de 30 anos e deu à luz um menino saudável por cesariana no início de setembro, cerca de dois anos depois de receber um útero doado por uma mulher sem vínculos com ela, de 61 anos de idade.
Ela foi uma das sete mulheres que se submeteram com sucesso a um transplante de útero de um doador vivo -- na maioria dos casos a mãe da destinatária -- e, posteriormente, fez o tratamento de fertilização in vitro.
"Há mais algumas grávidas", disse Mats Brännström, professor de obstetrícia e ginecologia na Universidade de Gotemburgo, à Reuters. "Elas estão com mais de 28 semanas de gravidez."
Brännström disse que outros hospitais em toda a Europa, Estados Unidos, Austrália e China estão esperando pelos resultados da pesquisa sueca antes de iniciar seus próprios programas.
"Quando tivermos os resultados de outros estudos, saberemos o quão eficaz é o procedimento e quais são os riscos", acrescentou.
Os avanços médicos para tratamento de infertilidade e a ajuda às mulheres para engravidar têm suscitado debate ético generalizado, com alguns críticos dizendo que os cientistas não deveriam "brincar de Deus".
Outros questionam a moralidade de gastar enormes somas para permitir que as mulheres engravidem quando elas têm a opção de adotar.
Brännström disse que o tratamento, o primeiro disponível para as mulheres que nasceram sem útero viável ou que tiveram seu útero removido por causa de câncer, é "uma questão de justiça".
"Se decidirmos enquanto sociedade que a infertilidade é um tipo de doença, devemos tentar tratá-la", disse ele.
Cerca de 200 mil mulheres na Europa sofrem de infertilidade uterina. Brännström disse que o transplante era "a única solução para o problema", embora fosse muito cedo para dizer se o procedimento, que custa cerca de 100 mil euros (125 mil dólares), se tornaria comum.
A Universidade de Gotemburgo tem permissão para fazer dez transplantes de útero com até duas gestações completas para cada mulher.
A universidade já tratou nove mulheres, duas das quais tiveram que ter seus úteros transplantados removidos. Todas as mulheres tratadas terão seus úteros removidos novamente após a gravidez.
"Este é o primeiro tipo de transplante que é temporário", disse Brännström.
A primeira gravidez do programa foi confirmada na primavera do hemisfério norte e o bebê de 1,775 kg nasceu por cesariana depois que a mãe desenvolveu pré-eclâmpsia na 32ª semana de gravidez.
"O bebê chorou imediatamente e não exigiu qualquer outro cuidado além da observação clínica normal na unidade neonatal", disse Brännström em um comunicado.
"A mãe e a criança estão muito bem e voltaram para casa. Os novos pais, naturalmente, estão muito felizes e agradecidos."